You are currently browsing the tag archive for the ‘filé mignon’ tag.

dsc00925b2

Como diria O Chef Alan do Programa Mestre Cuca, tem coisa que é gostosa, tem coisa que é muito gostosa e tem coisa que é suuuupergostosa. Esse filé uma dessas coisas que ficam supergostosas!

A idéia era fazer medalhões de filé mignon com uma crosta bem gostosa, dar aquele crocante à carne e torná-la ainda mais especial.

Geralmente, quando quero fazer um prato que eu nunca fiz ou utilizar de alguma técnica ou ingrediente que eu não tenha familiaridade eu utilizo do mesmo processo: vou até meus livros e a internet e busco várias receitas. Deste amontoado de informações, extraio àquelas que acho mais pertinentes e interessantes e elaboro a minha própria receita.

Acontece de não dar certo? Sim, acontece. Poucas vezes, ainda bem! Mas esta receita especificamente é uma daquelas que eu diria que deu muito certo.

Você vai precisar de:
– Medalhões de filé mignon
– Fatias de pão de forma maceradas
– Pistaches sem casca, em pedacinhos
– Queijo parmesão
– Sal, pimenta do reino, azeite e manteiga

Misture o pão, o parmesão e o pistache, na proporção 2-1-2. Coloque um pouquinho de azeite ao ponto de umedecer a mistura e dar certa liga, mas sem exageros. Reserve.

Tempere os medalhões com sal e pimenta do reino à gosto. Aqueça uma frigideira antiaderente com um pouco de manteiga e azeite. Quando estiver quente, coloque os filés e sele suas partes.

Quando estiverem no ponto, retire os medalhões e com a mão coloque a mistura de ingredientes que formará a crosta, por cima, cobrindo toda a superfície, com boa espessura. Coloque no grill do forno por uns 3 minutos ou até que fique moreninho. Você pode também voltar os medalhões para a frigideira com mais manteiga e com a mistura para baixo, para fazer a crosta. Da primeira forma deu muito certo e evita de utilizar mais gordura.

Para acompanhar fiz batatas cozidas em caldo de carne e vinho tinto. Um molho de cogumelos em vinho tinto também acompanha muito bem o prato.

Nota: acho que eu preciso fazer a consideração aqui de que eu cozinho de forma muito intuitiva e que para mim é muito difícil passar exatas quantidades dos ingredientes de uma receita. Infelizmente. Mas fica o “conceito” da receita, que possibilitará àquele com alguma prática executá-la.

Twitter

+ blogs